domingo, 10 de fevereiro de 2013

Saiu no G1: PTS quer mais participação social na política acreana



Fundado em 14 de junho de 2007 na cidade de Belo Horizonte, capital do estado de Mnas Gerais, o Partido da Transformação Social (PTS) está chegando ao Acre pouco mais de cinco anos após seu lançamento.
Com seus representantes trabalhando para obter o registro oficial junto ao Tribunal Superior Eleitoral até junho deste ano, o PTS começa a dar os primeiros passos em território acreano conduzido pelo presidente da executiva regional, Gilmar Torres, outros 10 membros e centenas de apoiadores.
"Ainda não temos filiação, apenas apoiadores e 11 membros da executiva estadual. Em Rio Branco, temos cerca de 400 apoiadores, mas a nossa intenção é chegar em 1,8 mil até março", comenta Torres.
Segundo ele, a ideia de trazer o partido para o Acre surgiu após analisar a atual situação político-partidária do Estado nos últimos anos.
"Muita gente não se sente representado nem pelos partidos da Frente Popular e nem pelos partidos de oposição. Falta um partido que possa dar oportunidade a algumas pessoas que possam participar politicamente. Comecei a pesquisar a possibilidade de outros partidos e dentre vários encontrei o PTS, que tem como um de seus objetivos lutar pelos interesses dos movimentos sociais", destaca.
Gilmar Torres aponta que o modelo de gestão petista, que há 13 anos administra o Estado, não tem atuado para o desenvolvimento econômico do Acre.
"Esse modelo que está aqui, no nosso ponto de vista, não dá condições para que o Acre possa se desenvolver. O nosso modelo de desenvolvimento econômico não está dando certo. Tanto é que a violência campeia. Não tem uma política de desenvolvimento que faça o Acre crecer e gerar emprego", critica.
Planos para 2014
Com o objetivo de disputar as eleições do próximo ano, o PTS deve lançar chapa completa no Acre, segundo Gilmar Torres, para concorrer a todos os cargos no pleito.
O presidente estadual diz que a pretensão é expandir o partido no Estado. Ele garante que o PTS não deverá aceitar a entrada de deputados estaduais que desejam migrar de partido em seu quadro. No entanto, quanto a aceitação de vereadores, a possibilidade é bem vista.
"A pretensão é expandir o partido no em todo o Acre, pelo menos três deputados nos procuraram querendo mudar de partido. Mas tomamos a decisão de não aceitar nenhum deputado estadual porque queremos construir com pessoas que cresçam junto com o partido. Pessoas que já foram candidatas, vamos aceitar, assim como vereadores. Temos cerca de 13 a 14 vereadores no Estado inteiro", comenta Torres.
Ele não descarta que sejam feitas coligações durante o período eleitoral, mas garante que essa não é a prioridade no momento. Confiante, Gilmar Torres acredita que o PTS terá sucesso nas urnas em 2014 no Acre.
"Na política é assim, há possibilidade de você conversar e encontrar entendimento com outros partidos. Então, até lá, a princípio vamos sair com chapa completa, pessoas simples, do povo. Até o ano que vem, quando chegar os prazos, não descartamos a possibilidade de sentar com outros partidos que tenham a mesma ideia que a nossa para fazermos uma coligação. A nossa chapa do ano que vem, a qual já estamos trabalhando, temos certeza que vamos eleger dois deputados", afirma.
Encontros
No dia 5 de março será realizado o lançamento do partido em Rio Branco, com a presença do presidente nacional da legenda, Ronaldo Gualberto. O local e o horário do evento ainda não estão definidos. Nos dias 5, 6 e 7 de abril acontece o Encontro Nacional do PTS em Brasília.
PTS Brasil afora
O trabalho de criação do PTS já existes nos estados do Acre, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Amazonas, Pernambuco, Ceará, Rio Grande do Norte, Alagoas, São Paulo, Brasília, Paraná, Goiás, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, de acordo com informações do site oficial da legenda.
Ele é fruto da atuação de um grupo de pessoas com atuação em movimentos sindicais, comunitários e estudantis com passagens por legendas como PT, PDT e PMDB.

Nenhum comentário:

Postar um comentário